Venda de bebidas cresce no Brasil, mas apenas 15% dos brasileiros preferem marcas nacionais
28/01/2021 15:24 em Economia

De acordo com levantamento da Synapcom, líder em inteligência de mercado, especializada em e-commerce, de março a outubro, o segmento de bebidas alcoólicas no e-commerce teve um crescimento de 960% em volume de vendas.

Porém, de acordo com um estudo da Nielsen, quando se trata de  bebidas alcoólicas e gaseificadas, somente 15% e 13% dos brasileiros, respectivamente, preferem marcas nacionais.

Quando o assunto é bebida alcoólica, a maioria dos brasileiros associa a produção nacional somente à cerveja.

Os irmãos Marcos Roberto Kalvelage, 49 anos, e Maurício Ricardo Kalvelage, 43 anos, querem mudar esta percepção e provar que a vodca e o gin também pode ser paixão nacional.

Os irmãos catarinenses começaram a estudar o tema e, entre 2007 e 2008, se especializaram. “Somos apreciadores de bebida. Degustamos diferentes tipos e já tínhamos pensado em abrir uma destilaria depois de nos aposentar. 

O Maurício estudou o processo da cerveja e eu fui atrás de cursos sobre cachaça. 

Começamos a nos interessar cada vez mais, até que compramos destiladores e fermentadores para testar matérias-primas em casa”, diz Marcos.

Não foi preciso se aposentar para que a dupla se aprofundasse no tema e, em pouco tempo, o hobby passou a ser oportunidade de negócio. 

Com o conhecimento do processo de fermentação de cereais da cerveja, os empreendedores iniciaram o projeto de uma vodca, a partir de um blend de cereais.

Para Marcos, foi difícil encontrar uma referência nacional no nível que eles desejavam. “Fomos atrás de referências de bebidas importadas e viajamos para fora para conhecer as empresas, a produção e as tecnologias dessas marcas”.

Em 2012, junto com um terceiro sócio, o engenheiro Francisco Marin, eles abriram a Bebidas Kalmae. No ano seguinte, a primeira vodka, Kalvelage, chegou no mercado. “O resultado superou nossas expectativas. Apesar do alto nível da vodca, o preconceito inicial por ser um destilado produzido no Brasil fez com que ela não fosse tão aceita”, conta Marcos.

Diante desse desafio, os irmãos pensaram que a melhor forma de provar a qualidade da bebida seria participando de campeonatos internacionais. “Um ano depois de lançar a vodca, ganhamos medalha de prata tanto no San Francisco World Spirits Competition quanto no Hong Kong Internacional Wine, onde conquistamos o posto de única vodka das Américas a receber medalha”.

“Nosso preço é competitivo, pois não está tão suscetível às variações do dólar quanto as marcas importadas. Além disso, temos uma boa mobilidade dentro do país e nenhum concorrente nacional direto”. Uma garrafa de Kalvelage custa em média R$ 99,50.

Hoje a marca conta com 17 medalhas internacionais tornando-a uma destilaria respeitada dentro do cenário de bebidas destiladas, fazendo com que os irmãos Kalvelage dessem um grande passo na conquista de um novo mercado.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
Clique no banner abaixo e anuncie conosco