Artigo - Abstinência de feiras cria novos formatos
20/04/2021 07:26 em Economia

Por José Roberto Sevieri*

Mais de 15 mil empresas/ano expõem em feiras Brasil afora, com o objetivo de vender. 

São produtos, serviços, marcas, conceitos e encontros que mantém as mesmas no ritmo de desenvolvimento. Fazem negócios e ampliam a geração de renda e empregos - além do consequente aumento do recolhimento de impostos.

Ou seja, todos ganham com as feiras. Uma plataforma que aproxima compradores de vendedores; soluções de necessidades e que faz grande parte da economia se movimentar. Mas, de repente, aparece esta pandemia e tudo fica parado, inclusive as feiras de negócios.

E agora - vai passar! Mas, quando? Como? Por quê? Para onde? Em que lugar? Em que momento? Vamos esperar que, em meses, teremos o abrandamento desta problemática e voltaremos a fazer negócios.

A pandemia virou pandemônio e recrudesceu, piorou. As feiras não voltaram e nem existe um horizonte próximo de quando isto irá acontecer.

Vai passar! Todos sabemos.

Alguns destes muitos expositores cansaram de esperar. Precisam vender, produzir. Precisam de negócios e das feiras. 

Mas como não tem feiras, partiram para a atividade individual, que consiste em alugar um espaço em um hotel ou buffet para instalar suas máquinas, seus produtos ou seus serviços, monta como se um estande fosse e estão convidando de 5 em 5 ou de 10 em 10 dos seus clientes, de hora em hora, para virem conhecer os lançamentos.

É contratada uma mesa de buffet, nos encontros presenciais. 

E, desta forma, alguns estão conseguindo expor na sua feira “solo” e conseguindo resultados de negócios. 

Claro que existe o perigo de contágio nesta situação toda que estamos vivendo. Estes encontros, fatalmente, não rolam dentro dos protocolos necessários. E isso poderá gerar alguns ou vários problemas. Eis aí o resultado da abstinência das feiras.

Elas precisam voltar para atender esta demanda. Para impactar, de forma positiva, os mercados e girar a economia. 

Morrer é muito ruim, seja de vírus ou de fome.

Formatos novos são sempre bem-vindos, mas condições pitorescas como estas não devem ser incentivadas. 

No entanto, estão acontecendo e poderão se tornar mais frequentes, a partir do momento em que os afetados aprendam com os que fizeram e travem uma escalada rápida dos formatos.

Pelo menos os hotéis, também muito afetados, poderão diminuir a vacância, nestas oportunidades. E isso é um alento.

*José Roberto Sevieri é promotor de feiras comerciais, sócio gerente da Proma Feiras e VP da ADVB – Associação Brasileira dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE